O Green Move Festival ocorreu nos dias 29 e 30 de setembro e contou com a presença de um público misturado e eclético, que foi ao evento à procura de diversão, conhecimento, interação entre amigos e principalmente a conexão com o meio ambiente, a qual foi acarretada pelos stands cada um da sua própria maneira. O acontecimento, todos os anos, propõe um tema fixo a ser seguido, que vai ser o direcionamento durante todo o processo da escolha de stands e de todos os fenômenos apresentados. O assunto para o ano de 2018 foi a sustentabilidade relacionada à alimentação. Durante todo o projeto, voluntários e coordenadores participaram das atividades apresentadas, além de formatar todo o conteúdo tanto no quesito educação quanto em relação à cultura, a Coordeandora de Voluntários e Informação Verônica Lemos de Oliveira Matos juntamente com os volutários do evento, buscaram passar a mensagem de sustentabilidade por meio da conscientização dos atos pessoais que são a favor do meio ambiente, como por exemplo, doações de materiais recicláveis, ir ao evento de bicicleta visando diminuir o consumo de veículos poluentes e ajudar no plantio do Mutirão Green, segundo ela “O evento inspira de todas as formas possíveis e cada gesto conta mesmo sendo pequeno”

O primeiro dia foi direcionado especificamente para a interação entre o público e os stands, visto que os mesmos trabalham com diferentes dinâmicas e atividades com o intuito de promover além do seu próprio conteúdo, uma experiência cultural e educacional a fins de mudar a ideologia das pessoas acerca da sustentabilidade, alguns exemplos de stands são a Fábrica Escola de Sabão, a EMBRAGEA e a BAETAMEC/BSB3D. Os stands, apesar de estarem conectados e direcionados, viabilizaram diversos meios de atuar à favor do meio ambiente de modo que suas ações, indepedente de quais sejam, de alguma forma atuarão positivamente no meio ecológico. A exemplo disso, a EMBRAGEA, uma empresa de gestão ambiental da UnB que trabalha diretamente na avaliação de impactos ocasionados pelos grandes geradores de resíduos e  com áreas de recuperação degradadas, aonde os mesmos operam nessas áreas fazendo o monitoramento adequado e o replantio e, concomitantemente, a BAETAMEC/BSB3D também como exemplo euduca o público e proporciona uma máquina de impressão 3D com filamentod de material reciclável, como o PET, trabalhando na área de ecologia relacionada ao lixo. Ambos os dias contaram com apresentações, sendo o priemeiro com grupos orquestrais da banda sinfônica de Brasília e o segundo de apresentações para aqueles que foram para a Área Consciente do evento, que contou com shows das cantoras Pitty, Vanessa da Mata e a banda Jota Quest.

(Matéria por Ana Cristina  Morbach e William Homero. Fotos por Marina Freitas)

 

Comente